e-criativo

Economia Criativa
Plataforma de Documentação e Memória

Por um Brasil Criativo: Significados, Desafios e Perspectivas da Economia Criativa Brasileira
Livro - 2016

Por um Brasil Criativo: significados, desafios e perspectivas da Economia Criativa brasileira reúne contribuições de pesquisadores de várias universidades e centros de pesquisa. Mas não se resume somente a uma coletânea acadêmica competente. O volume traz ainda a contribuição de atores de processos que envolvem a Economia Criativa no país. Com isso, o leitor é convidado a refletir sobre o saber que se constitui a partir do trabalho de vários teóricos e acerca de experiências já testadas ou em estágio de processo e crítica.

Organização: Claudia Leitão e Ana Flávia Machado

Políticas culturais no governo Dilma
Livro - 2015

Políticas culturais no governo Dilma / Antonio Albino Canelas Rubim,
Alexandre Barbalho, Lia Calabre, Organizadores. – Salvador: EDUFBA, 2015.
281 p. : il. – (Coleção Cult)

 

Organizadores: Antonio Albino Canelas Rubim, Alexandre Barbalho Lia Calabre 

Relatório de Economia Criativa 2010 - Unctad
Relatório - 2010

Relatório de Economia Criativa: Uma opção de desenvolvimento viável.

A série Relatório de Economia Criativa é o resultado da parceria entre a Unctad e a Unidade Especial para Cooperação Sul-Sul da Pnud. Esses relatórios voltados a políticas são o principal resultado do projeto de cooperação técnica “Fortalecendo a Economia Criativa para o Desenvolvimento”, um empreendimento conjunto coordenado por Edna dos Santos-Duisenberg, chefe do programa de economia criativa da Unctad, e Francisco Simplício, Chefe da divisão de gestão de conhecimento e operações da Unidade Especial para Cooperação Sul-Sul da Pnud.

Publicação: UNDP / Unctad

A CONVENIÊNCIA DA CULTURA: USOS DA CULTURA NA ERA GLOBAL
Resumo - 2006

A CONVENIÊNCIA DA CULTURA: USOS DA CULTURA NA ERA GLOBAL

TODAS AS LETRAS I, volume 8, n.1, 2006

Resenha: Vanderlei J. Zacchi

Cadeia Produtiva da Economia do Artesanato – desafios para o seu desenvolvimento sustentável
TCC - 2010

Monografia apresentada ao Programa de Estudos Culturais e Sociais da Universidade Candido Mendes como requisito parcial para a conclusão do curso Lato Senso MBA em Gestão Cultural.

Autora: CLAIRE SANTANNA FREEMAN

Realização: Associação Brasileira de Gestão Cultural – ABGC

Cidades Criativas: vocação e desenvolvimento
Livro - 2018

Este livro é parte de um processo amplo de reflexão sobre as cidades criativas e reúne o conhecimento resultante de projeto de pesquisa em andamento na Universidade Feevale, intitulado Cidades Criativas e
Turismo: análise das dinâmicas de produção e consumo turístico e seu reflexo no desenvolvimento, que teve fomento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq, contemplado na Chamada 43/2013 – Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas, processo Nº 408841/2013-3. Contou com a parceria de equipe de pesquisadores de três instituições de ensino superior brasileiras, a saber: a Universidade Feevale (Dra. Mary Sandra Guerra Ashton), a Universidade Federal de Viçosa – UFV (Dr. Magnus Luiz Emmendoerfer) e a Universidade de São Paulo – USP (Dr. Edegar Luis Tomazzoni), além de outros pesquisadores e acadêmicos bolsistas de iniciação científica.

Universidade Feevale, RS, Brasil

Redesenho do Programa Cultura Viva
Relatório - 2012

RELATÓRIO REDESENHO DO PROGRAMA CULTURA VIVA

GRUPO DE TRABALHO CULTURA VIVA

UNESCO CULTURE FOR DEVELOPMENT INDICATORS
Relatório - 2017

Indicadores Culturais para o Desenvolvimento

UNESCO

Panorama da Economia Criativa no Brasil
Outros - 2013

Panorama da Economia Criativa no Brasil

Organização: João Maria de Oliveira
Bruno Cesar de Araujo
Leandro Valério Silva

 

Texto para discussão / Instituto de Pesquisa Econômica
Aplicada.- Brasília : Rio de Janeiro : Ipea , 1990-

Programa Cultura Viva: Análises e Observações
Outros - 2009

Seminário Internacional do Programa Cultura Viva

Realizado entre 18 a 20 de novembro de 2009 - Pirenopolis - GO

O Discursos Global da Economia Criativa - Frameworks para o desenvolvimento econômico
Artigo - 2018

Este artigo analisa os principais discursos dos organismos internacionais dedicados ao desenvolvimento de plataformas de gestão e organização da Indústria e Economia Criativa (EC) bem como suas influências na agenda global de formulação de políticas públicas. O artigo traz à baila a temática de uma nova economia intensiva em criatividade e seus transbordamentos estratégicos com a inovação, com a sustentabilidade e com a diversidade cultural. Por meio da Análise de Discurso (AD) da escola francesa, buscou-se caracterizar as diferentes abordagens adotadas por esses organismos, especificamente a Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (UNCTAD) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Identificadas as principais caraterísticas de cada relatório – dimensão setorial da indústria, os efeitos de sentido e as condições de produção do discurso da Economia Criativa em cada organismo –, procedeu-se à comparação dos documentos com o Plano Brasil Criativo, do Ministério da Cultura. Os resultados apontam para o desenvolvimento de um constructo multidimensional de instrumentos para a gestão estatal da EC – apoiados em ativos simbólicos específicos e singulares de cada país – conferindo à UNCTAD e à Unesco posição de vanguarda e influência na elaboração de políticas públicas para o setor criativo, inclusive no contexto Brasil. As discussões em torno das transações de ativos intangíveis e simbólicos contribuem, ainda, na geração de novos insights para a organização setorial da Economia Criativa nacional.

Publicado na Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional v. 14, n. 5 (2018)

Indicadores Unesco de cultura para o desenvolvimento
Outros - 2014

Manual Metodológico - INDICADORES UNESCO DE CULTURA PARA EL DESARROLLO

Publicado en 2014 por la Organización de las Naciones Unidas para la Educación, la Ciencia y la Cultura, 7, place de Fontenoy, 75352 París 07 SP, Francia

THE BRAZILIAN CREATIVE ECONOMY
Relatório - 2018

Este relatório tem três funções principais. É comissionado pelo British Council em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) como parte do Programa de Desenvolvimento e Engajamento Profissional Newton no Brasil. O foco no Brasil é apoiar os empreendedores criativos e desenvolver os mecanismos que estimulem uma Economia Criativa mais diversificada, inclusiva e confiante. É um dos seis programas de Newton entregues pelo British Council. Este programa é moldado pelas demandas e prioridades de desenvolvimento das partes interessadas do país, com o objetivo de apoiar o ambiente de pesquisa e possibilitar um ótimo impacto da pesquisa. O programa tem o benefício adicional de criar relacionamentos entre provedores de habilidades com conhecimento e compreensão dos ecossistemas de pesquisa e inovação do Reino Unido e das partes interessadas dos países parceiros.

Economía creativa en América Latina y el Caribe: Mediciones y desafíos
Outros - 2018

Qué países están midiendo el impacto de las industrias creativas y culturales en sus economías? Este informe se suma al esfuerzo del Banco Interamericano de Desarrollo (BID) para visibilizar el impacto de la Economía Naranja a través de la recopilación de los datos más recientes disponibles sobre las industrias culturales y creativas. El informe explora datos de los indicadores recientes de veinticuatro de países de América Latina y el Caribe e incluye recomendaciones para el levantamiento y la importancia de una sistemática medición. El BID espera que al poner en evidencia la diversidad de datos y sus respectivas metodologías los gobiernos puedan dar prioridad a la importancia de encontrar una metodología sistemática para la recopilación de los mismos. El poder seguir articulando el potencial de la Economía Naranja a través de datos confiables nos ayudará a seguir demostrando la capacidad de esta como generadora de empleo, de riquezas y de impacto social. 

NOTA TÉCNICA
Nº IDB-TN-01488
Agosto 2018

THE GEOGRAPHY OF THE UK’S CREATIVE AND HIGH–TECH ECONOMIES
Livro - 2015

A GEOGRAFIA DAS ECONOMIAS CRIATIVAS E DE ALTA TECNOLOGIA DO REINO UNIDO

Organização: Hasan Bakhshi, John Davies, Alan Freeman and Peter Higgs

Pontos de cultura : olhares sobre o Programa Cultura Viva
Livro - 2011

Pontos de cultura : olhares sobre o Programa Cultura Viva /
organizadores: Frederico Barbosa, Lia Calabre.- Brasília : Ipea, 2011.

QUAL O PAPEL DO DESIGN NA POLÍTICA DE INOVAÇÃO?
Outros - 2014

British Council Unidade de Economia Criativa
Série Investigando Políticas
Publicado pelo British Council

A Economia Criativa: um guia introdutório
Outros - 2010

A ECONOMIA CRIATIVA: UM GUIA INTRODUTÓRIO
por John Newbigin

Série Economia Criativa e Cultural

Observatório Iberoamericano do Direito Autoral

Publicado pela British Council

THE 2009 UNESCO FRAMEWORK FOR CULTURAL STATISTICS (FCS)
Relatório - 2009

O Marco da UNESCO para Estatísticas Culturais (FCS) de 2009 é um esforço colaborativo entre o Instituto de Estatística da UNESCO (UIS) e o Setor de Cultura da UNESCO. Baseado em Quadro de Estatísticas Culturais de 1986, esta versão revisada do programa cultural da metodologia estatística leva em conta novos conceitos que surgiram desde 1986 no campo da cultura, incluindo aqueles relacionados às novas tecnologias - que têm influenciado a cultura e as formas como é acessada - patrimônio intangível, e práticas e políticas culturais em evolução.

Publicação de UNESCO Institute for Statistics (UIS)

LA ECONOMÍA CREATIVA EN BRASIL: El desarrollo del turismo local en el pantanal sur de Mato Grosso
Artigo - 2017

O presente artigo aborda a Economia Criativa e sua estrutura organizacional capaz de prospectar relações de desenvolvimento mútuo com outros setores da economia, à exemplo do Turismo. Objetiva descrever e analisar a relação entre a Economia Criativa e o Turismo local buscando entender as características desse ambiente em relação ao ciclo criativo da produção e consumo.

Autores: Adriano Pereira de Castro Pacheco, Elcio Gustavo Benini e Milton Augusto Pasquotto Mariani

Revista: Estudios y Perspectivas en Turismo - Volumen 26 (2017) pp. 678 – 697